Central de marcação de consultas

(31) 3248-3000   


Entenda como funciona o pronto atendimento hospitalar

Compartilhe:

O pronto atendimento é a unidade de um hospital que atende pacientes com problemas de saúde agudos, ou seja, alterações fora do padrão de saúde da pessoa que precisam de uma intervenção imediata. São os casos chamados de urgência ou emergência. Hiperglicemia em pacientes diabéticos, dores torácicas em cardíacos, dores de cabeça incontroláveis ou intoxicação alimentar, são exemplos de situações em que se deve procurar o pronto atendimento. 

Como esse setor recebe muitas pessoas que precisam de cuidados imediatos ao mesmo tempo, é necessário organizar os pacientes de acordo com o nível de urgência e emergência de cada caso..

Como é feita a triagem dos pacientes na urgência e emergência do Semper?

A triagem no pronto atendimento do Semper é feita com base no Protocolo de Manchester, uma técnica simples e prática adotada internacionalmente, desenvolvida em 1997, na cidade de Manchester, na Inglaterra. 

De acordo com essa classificação, os pacientes que chegam ao pronto atendimento são divididos em níveis de prioridade com cores diferentes. No hospital, são utilizados quatro níveis: verde, amarelo, laranja e vermelho, sendo o verde para os casos que podem esperar mais e o vermelho para os casos que precisam de mais rapidez no atendimento. 

Essa classificação é feita com base na gravidade dos sintomas que o paciente apresenta. Vale ressaltar que a escala de Manchester é diferente da prioridade de portadores de deficiência, idosos, gestantes, lactantes e pessoas com crianças no colo. Pacientes que se encaixam nesses grupos têm prioridade para passar pela triagem mas, depois de serem classificados de acordo com o Protocolo de Manchester, devem seguir apenas a indicação das cores. 

Por que preciso esperar no pronto atendimento?

Além da ordem de prioridades estabelecida pelo Protocolo de Manchester, existem outros fatores que podem influenciar no tempo de espera do paciente no pronto atendimento hospitalar. Existem dias da semana e épocas do ano em que a procura pelo serviço é maior. 

Nas segundas-feiras, por exemplo, o fluxo de pacientes pode aumentar porque as pessoas costumam esperar terminar o final de semana para procurar um médico. Epidemias de doenças também podem provocar um aumento no número de pacientes. 

É importante que o corpo clínico do hospital esteja atento a esses fatores para se adequar à demanda. “Como gestor do pronto atendimento, eu sempre procuro criar uma escala que se adapte a essas mudanças e sazonalidades. Em uma epidemia de dengue, por exemplo, nós aumentamos o volume de médicos atendendo no hospital, bem como na época das doenças de inverno”, explica o doutor Tiago Duarte, clínico geral responsável pela coordenação do pronto atendimento do Hospital Semper.

Outro fator que pode influenciar na espera do pronto atendimento é a média de idade dos pacientes. Pessoas idosas são pacientes mais complexos porque podem ter mais doenças e históricos médicos mais extensos que os mais jovens. Isso significa que o tempo de atendimento destes pacientes pode ser maior, uma vez que eles demandam cuidados e exames mais elaborados. Assim, quando a média de idade dos pacientes é alta, pode ser que o tempo de espera seja alterado. 

Qual a diferença entre o pronto atendimento e as consultas agendadas?

Já vimos que o pronto atendimento deve ser procurado pelo paciente somente em casos de doenças ou sintomas que precisem de cuidados imediatos. Outros tipos de necessidades médicas que não são de urgência ou emergência devem ser atendidos em ambulatórios e consultórios médicos, por meio do agendamento prévio. Consultas de rotina, renovações de receitas, check-ups e resultados de exames laboratoriais, por exemplo. Veja como agendar a sua consulta no Semper.