Central de marcação de consultas

(31) 3248-3000   


Para que serve a cirurgia endovascular?

Compartilhe:

As cirurgias são intervenções médicas mais complexas que costumam causar receio devido às possíveis complicações e exigências para internação e recuperação do paciente. Mas a cirurgia endovascular tem um perfil diferente. São vários os quadros que podem ser tratados por meio dessa especialidade, por isso, ela vem crescendo muito nos últimos anos.

A cirurgia endovascular é um procedimento minimamente invasivo, feito a partir da inserção de um cateter nos vasos sanguíneos do paciente. Assim, não é necessário fazer cortes na pele, como nas cirurgias convencionais. 

Como é feita a cirurgia endovascular?

Os médicos controlam os cateteres por meio dos equipamentos de hemodinâmica, ou arco cirúrgico, que permitem a visualização das veias e artérias com raios-X e contraste. O Semper tem um equipamento com recurso de visualização em 3D, que permite realizar a cirurgia com alta qualidade de imagem

Segundo o Dr. Carlos Eduardo Diniz Couto, médico hemodinamicista e diretor-presidente do Hospital Semper, a grande vantagem da cirurgia endovascular é poder tratar doenças graves, em partes do corpo de difícil acesso, com um procedimento de menor risco. Como não é uma cirurgia invasiva, os pacientes têm alta precoce. O índice de infecções e outras complicações é menor, assim como o tempo de internação e de recuperação. 

Tudo isso significa mais conforto para o paciente com aneurismas, tumores, miomas, varizes pélvicas… São vários os quadros médicos em que a cirurgia endovascular pode ser parte fundamental do tratamento. Confira algumas das várias patologias que podem ser tratadas com esse procedimento!

  • Miomas uterinos: tumores benignos no útero podem ser embolizados por meio da cirurgia endovascular

Os miomas uterinos, apesar de benignos, podem causar uma série de sintomas como aumento dos sangramentos menstruais, por exemplo, com risco de anemia. Nesses casos, pode ser feita a embolização dos tumores por meio da cirurgia endovascular. “A paciente costuma ser liberada no dia seguinte ao procedimento”, explica o Dr. Carlos.

A embolização é a obstrução das artérias que levam sangue aos miomas, com a injeção de substâncias seguras que bloqueiam a passagem do sangue, com efeito permanente. O Semper é líder nas estatísticas de embolização de miomas no Brasil, sendo o hospital com mais experiência nesse tipo de procedimento: já são quase 800 pacientes tratadas com a cirurgia endovascular, sempre com o acompanhamento da clínica de dor, para garantir uma recuperação confortável

Tumores no fígado também podem ser tratados via embolização

“Quando o paciente tem múltiplos nódulos hepáticos, na cirurgia endovascular, é possível aplicar o medicamento diretamente em cada um deles, causando uma involução, redução ou remissão completa do tumor”, explica o Dr. Carlos. Assim, a doença fica controlada enquanto o paciente aguarda um transplante de fígado. Nesses casos, em geral, a internação é mais curta e a recuperação é rápida. 

  • Aneurismas em diversas partes do corpo podem ser controlados de forma minimamente invasiva.

As dilatações nos vasos sanguíneos são perigosas porque podem causar hemorragias internas ou até mesmo um acidente vascular cerebral (AVC), que pode ser fatal. No cérebro, na artéria aorta, em artérias nas pernas, baço ou fígado, os aneurismas podem ser tratados por meio da cirurgia endovascular. 

Os cateteres da cirurgia chegam até o local da dilatação, permitindo o tratamento localizado que, antes, só seria possível com cirurgias convencionais. O Dr. Carlos explica que “é possível obstruir a alimentação desse aneurisma, fazer com que ele coagule e não cause nenhum sangramento”. 

  • Lesões Obstrutivas em artérias carótidas, renais ou em vasos sanguíneos nas pernas

Caso os vasos sanguíneos estejam obstruídos, impedindo o fluxo normal do sangue no local, a cirurgia endovascular permite fazer essa desobstrução local com os cateteres. Nesses casos, no geral, a internação é curta e a recuperação é rápida. 

  • Varicoceles: a dilatação das veias dos testículos pode causar infertilidade

As veias dilatadas nos testículos também podem ser embolizadas por meio da cirurgia endovascular, sem a necessidade da cirurgia aberta. Assim, são reduzidas as chances de complicações. 

  • Varizes pélvicas: veias dilatadas e tortuosas que surgem na região dos órgãos reprodutores femininos. 

As varizes são problemas muito comuns nas pernas e nos pés. Já falamos um pouco sobre elas no nosso blog. No entanto, elas também podem acontecer em outras regiões do corpo. As varizes pélvicas, geralmente, acometem mulheres jovens, que podem vir a ter dor na relação sexual ou na hora de urinar. A cirurgia endovascular também trata essa doença.

  • Dissecção da artéria aorta: um rasgo na camada interna do vaso sanguíneo que sai do coração. 

A dissecção na aorta é bastante grave e tem altos índices de mortalidade. A cirurgia aberta tem alto risco. Mas o Dr. Carlos explica que, hoje, dependendo da localização do problema, é possível colocar endopróteses que tratam a dissecção sem ter que abrir o paciente, só com um corte na virilha para a inserção do cateter da cirurgia endovascular. 

Estas são algumas das patologias que podem ser tratadas hoje com a cirurgia endovascular. Essa especialidade está em constante evolução, permitindo que cada vez mais doenças tenham seus tratamentos facilitados e simplificados. 

O Semper acompanha o desenvolvimento dessas tecnologias e tem uma sala de hemodinâmica com equipamentos atualizados. Por conta dessa tradição em tratamentos extracardíacos, é no Semper que acontecem boa parte dos módulos dos cursos anuais da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

A equipe responsável pelos tratamentos com cirurgias endovasculares do Semper é multidisciplinar. Ela conta com médicos hemodinamicistas, vasculares, cardiovasculares e neurocirurgiões, além do acompanhamento da Clínica de Dor, para garantir uma recuperação rápida e confortável para todos os pacientes.